PEPITA GUERRA – ¿Amemos? No ¡Luchemos!

 

Pepita Guerra é um pseudônimo utilizado pela autora do texto para expressar sua voz em uma época que se reivindicavam direitos nas mais diversas esferas. Foi diretora do jornal argentino La voz de la Mujer. Sobre a identidade da autora e sobre o jornal existem pesquisas acadêmicas em vários idiomas, inclusive no português.

 

Sobre o texto
O texto ¿Amemos? No ¡Luchemos! escrito por Pepita Guerra, um pseudônimo, foi publicado pelo jornal “La Voz de la Mujer”, Año I, N° 2, em 31 de janeiro de 1896 em Buenos Aires – Argentina. Sobre “La voz de la Mujer” um jornal que circulou apenas por um ano entre 1896-1897 e considerado como o primeiro jornal anarco-feminista publicado na Argentina. As colaboradoras eram mulheres de diferentes nacionalidades, e muitas delas utilizavam um pseudônimo, como é o caso de Pepita. O público alvo eram as mulheres, porém sua circulação abrangia a região central de Buenos Aires e circulava pelo ambiente operário. O texto encontra-se disponível em fac-símile nos arquivos da Casa del Bicentenário, Buenos Aires, Argentina e em vários sites online.

 

Sobre as tradutoras
Mara Gonzalez Bezerra é professora e tradutora, graduou-se em Letras – Língua e Literatura Espanhola pela Universidade Federal de Santa Catarina (2008). Concluiu o Mestrado em Literatura (2011) na PGLIT/UFSC e o Doutorado em Estudos da Tradução (2016) na PGET/UFSC. Atualmente realiza estágio pós-doutoral (2017) na Pós-graduação em Estudos da Tradução na Universidade Federal de Santa Catarina. Participa dos seguintes grupos de pesquisa: 1. Núcleo Quevedo de Estudos Literários e Traduções do Século de Ouro e 2. Tema Didático – Tecnologia, Educação e Materiais Didáticos. Realiza pesquisa sobre a escritora Sor Juana Inés de la Cruz e a tradução de sua obra. Tem experiência na área de Letras, com ênfase nos Estudos da Tradução, Língua espanhola, Literatura Hispano-americana; Século de Ouro espanhol. Especialização em Psicopedagogia pelo ICPG (2006). E-mail: mara.gonzalez.letras@gmail.com.
Mary Anne Warken S. Sobottka atualmente é doutoranda do Programa em Estudos da Tradução da Universidade Federal de Santa Catarina com bolsa CAPES. Pesquisa a obra de Nicanor Parra e tem interesse na variação do espanhol chileno e na literatura chilena. Mestra em Tradução Literária pela Universidade Federal de Santa Catarina (PGET/CAPES). No Doutorado dedica especial atenção aos Estudos de Tradução do texto poético desenvolvidos na América do Sul. É Bacharel em Língua Espanhola e Literaturas de Língua Espanhola pela Universidade Federal de Santa Catarina. Integra o projeto Corpus del español escrito con marcas de oralidad: CEEMO da Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: warkenespanholufsc@gmail.com.

 

Trecho da tradução

O que você tem, ingênua e inocente mulher? Por que o rubor cobre a sua face? Porque parece agitada e envergonhada? O que você tem? Por que sofre?
Ah! Não precisa dizer, não, não precisa, já entendi o que você está passando, e o pesar que sente. Já sei, porque às vezes seus olhos são como um caudal de lágrimas, em vez de ser um farol de luz radiante.
Já sei, também, porque sua face, se reveste de um vivo carmim do nada. Sim, mulher. Você ama! (Texto completo para download, 500 KB)

 

Como citar esta tradução
GUERRA, Pepita. ¿Amemos? No ¡Luchemos!. Tradução, prefácio e notas: Mara Gonzalez Bezerra e Mary Anne Warken S. Sobottka. Acácia – revista de tradução, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 147-160, 2018. ISSN 2592-3915. Disponível em: <//www.revista-acacia.com.br/2018/01/pepita-guerra>.

000webhost logo