LOUIS MACNEICE – The Dark Tower

Louis MacNeice

 

Louis MacNeice nasceu na Irlanda do Norte, na comunidade protestante, filho de um sacerdote anglicano. Após a morte da sua mãe, foi para o colégio Scherborne Preparatory School, onde permaneceu até Universidade, em Oxford.
A obra de MacNeice inspirou grandes percursores da Geração de Trinta na Inglaterra, como W. H. Auden. Sua obra se destaca pelo retrato realista da modernidade, e oscila entre a linguagem formal e popular, misturando expressões elevadas e corriqueiras. Dentre seus poemas mais caros estariam “Snow” (Poems, 1935), “Belfast” (Poems, 1935), “Carrickfergus” (The Earth Compels, 1938), “Bagpipe Music” (The Earth Compels, 1938).
Além de poeta, MacNeice atuou como jornalista e dramaturgo na BBC, entre os anos de 1941 e 1963. Sua produção radiofônica é profícua, chegando ao número de trinta peças. Portanto, seu legado ao gênero é vasto, porém pouco estudado, devido à falta de compreensão e estudo (como o poeta destacava em seus textos).

 

Sobre o texto
A peça radiofônica “The Dark Tower” é uma parábola sobre a segunda guerra mundial. Conta as aventuras do jovem Roland na busca do “Dragão”, que habita a “Torre Sombria”. Para vencê-lo, ele precisa se preparar para enfrentar desafios fantásticos. O drama é igualmente acompanhado pela trilha sonora de Benjamin Britten.
Sobre o plano alegórico e de sua escrita, MacNeice acredita que o autor contemporâneo deve lançar mão de múltiplas técnicas literárias, incluindo a fantasia, para compreender a complexidade moderna e inovar seu estilo. Portanto, a realidade deve ser enviesada para que abstrações aparentemente irreais façam sentido e produzam uma racionalidade sobre os traumas históricos.
O trecho selecionado mostra o jovem Roland durante sua formação, tentando compreender não só a razão pela qual ele deve partir em busca do Dragão, mas também o porquê seus irmãos, pais e avós morreram na mesma busca.

 

Sobre a tradutora
A Dra. Viviane Carvalho da Annunciação é professora associada do Centro de Estudos Latino Americanos da Universidade de Cambridge e autora do livro “Exile, Home and City: The Poetic Architecture of Belfast”, cujo corpus contempla a obra poética de MacNeice. Antes de se estabelecer em Cambridge, Viviane foi professora adjunta da Universidade Federal da Bahia, onde participou do projeto ProSOM, que visava traduzir e gravar peças radiofônicas para a comunidade carente, e foi também editora da revista de tradução poética Almatroz. Viviane publicou traduções de Seamus Heaney, Paul Muldoon e, atualmente, após publicar artigos sobre as conexões entre a poesia concreta brasileira e britânica, a pesquisadora se dedica ao estudo dos romances de Machado de Assis à luz do tema da ciência.

 

Trecho da tradução

O programa que se segue é uma peça-parábola sugerida pelo poema de Robert Browing “Childe Roland à Terra Sombria”. O tema é antigo, mas o tema da Busca é sempre-vivo e o da aventura perseverante; a maneira de apresentação é a do sonho. O poema de Browning termina com um desafio entoado por um trompete:

‘E ainda
Destemida a lerda trompa aos meus lábios trouxe. E assoprei. Childe Roland à Torre Sombria veio
Atente às palavras ‘e ainda’. Roland não tinha que – não desejava–
e ainda no final, ele veio à Torre sombria.’
(A trompete toca o som do desafio)

(Texto completo para download, 884 KB)

Como citar esta tradução
MACNEICE, Louis. The dark tower. Tradução, prefácio e notas: Viviane Carvalho da Annunciação. Acácia – revista de tradução, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 83-122, 2018. ISSN 2592-3915. Disponível em: <//www.revista-acacia.com.br/2018/01/louis-macneice>.

000webhost logo